Será que você não anda se cobrando demais? A sociedade cobra a mulher moderna sem piedade, e esta, acaba assumindo funções que nem sempre são humanamente possíveis. Se você se identificou, este texto serve para a sua reflexão.

Você já deve ter percebido que a mulher moderna passa por muitas cobranças – muitas destas injustificáveis. E com o tempo, ela passou a acreditar e aceitar estas cobranças como se fossem normais. Para a mulher moderna, é preciso ter filhos e ser a melhor mãe (a mais participativa, a que nunca erra, a que mantém a casa fabulosamente limpa), a melhor profissional (cuja atmosfera jamais sequer pode ser obscurecida por um erro), a melhor esposa (sempre impecavelmente linda e presente, capaz de fazer um homem feliz independentemente de qualquer coisa), a melhor amiga (sempre com tempo, sempre solícita), etc. Saiba mais sobre o mito da Supermulher.

O mito da supermulher

Nota-se que a mulher moderna de fato tem muitos papéis sociais – estes e muitos outros não mencionados. Muitas vezes, para cumprir este papel (sem questioná-los), a mulher acaba se colocando de lado, e muitas vezes perdendo os seus próprios referenciais. A motivação um dia acaba, o cansaço e as doenças somáticas podem até aparecer, e o desgosto pelas coisas que antes você gostava acaba ficando mais forte.

Síndrome da supermulher – um dos maus da contemporaneidade

Em Coaching, damos a isso o nome de mito da Supermulher (ou Síndrome da Supermulher): um comportamento que mistura a falta de tempo (ou a má gestão do tempo), culpa, estresse constante, incapacidade de delegar tarefas, dificuldade de dizer não, autodesvalorização, sentimento de falta de apoio, frustração, perfeccionismo exacerbado, comodismo (por parte da mulher e dos outros).

Da mesma forma como acontece com os homens (no caso deles é a Síndrome do Macho-Alfa), a mulher perfeita cada vez mais é questionada quando uma mulher de fato busca se compreender melhor diante do mundo e passa a ter a consciência da relação dela consigo mesma e com os outros. É preciso entender que a Síndrome da Supermulher não é algo nem produtivo e nem saudável.

Superando o mito da supermulher e sendo mais feliz

O primeiro passo, caso você tenha se identificado com a imagem da mulher sobrecarregada e infeliz acima demonstrada é parar se se sentir culpada. A culpa é uma das principais justificativas para assumir funções excessivamente. Você não precisa se sentir culpada se hoje não deu para limpar a casa, brincar com os seus filhos ou entregar todas aquelas tarefas que você tem na empresa em que trabalha.

O mito da supermulher

O segundo passo é aprender a dizer não. Primeiro, faça uma lista de coisas que você gostaria para a sua vida e que não tem espaço, pois lhe falta tempo. Agora, liste aquelas pendências ou situações das quais você precisa se livrar para ser mais feliz e ter mais tempo. Parece óbvio o próximo passo? Aumente a primeira lista na sua rotina diminua a segunda lista. Há coisas que você pode fazer agora mesmo, outras mudanças você pode fazer gradualmente para não sobre carregar. Aprenda a não assumir as tarefas que atrasam você e a dizer não.

O mito da supermulher

Faça uma gestão melhor do seu tempo. Há muitas técnicas e ferramentas para isso. Priorize o que é importante para você e não para os outros. Com isso, você acabará mexendo com todas as estruturas de sua vida e terá uma vida mais renovada. Lembre-se de que ninguém é perfeito – ou todos somos perfeitos dentro daquilo que realmente somos. Você não deve nada a ninguém e pode organizar a sua vida ao seu tempo. Não se cobre tanto! Crie os seus próprios referenciais do que é ser uma boa mãe, esposa, amiga, profissional… enfim, uma pessoa melhor!

Gostou das dicas? Quais as suas sugestões para deixar a síndrome da supermulher de lado e ser mais feliz?

comente com Facebook
compartilhe
Show Buttons
Hide Buttons